Os mapas dos estereótipos: italianos vistos pelo resto da Europa e o mundo

esteriótipoHá alguns anos, circula na rede, sobretudo no Facebook, uma série de mapas que, em um primeiro momento, nos fazem rir, mas que de divertidos não têm absolutamente nada. Quem já não se comportou de modo preconceituoso em relação a algum povo ou mesmo pessoa, criando verdadeiros estereótipos? Diria que todos nós. Vivemos em um mundo onde todos dizem aceitar as diferenças, mas o que fazem constantemente é apenas tolerar o que e quem foge aos padrões estabelecidos pela sociedade na qual estamos inseridos. Na maioria das vezes, criamos para nós mesmos e para os outros estereótipos que são passados de geração em geração, dando a nós e aos outros um perfil e uma imagem que, muitas vezes, traduzem indireta e erroneamente o que realmente somos.

O jornal italiano Corriere della Sera, em 2010, publicou uma matéria interessantíssima, de autoria do jornalista Francesco Tortara, sobre o artista búlgaro Yanko Tsvetkov, que mapeou os “lugares-comuns” enraizados no Velho Continente, desde tempos imemoriais, contando como os cidadãos pertencentes aos diversos países que compõem a União Europeia se veem uns aos outros. A sua tentativa logo se tornou um grande sucesso na rede: mais de um bilhão de usuários pôde admirar a série de mapas denominado Mapping stereotypes.

Como os italianos veem a Europa?

De fato, um dos primeiros mapas é justamente dedicado a esse tema. O modo como os italianos veem os seus vizinhos não é dos melhores e muito menos gratificante: dos vizinhos franceses, os italianos apreciavam e conheciam, naquela altura, a “prèmiere dame, Carla Bruni”; da Espanha reconhecem a afinidade cultural com a Itália, pois o país ibérico é indicado como uma terra de dialetos italianos (una terra dei dialetti italiani); Portugal, por sua vez, é admirado pela consanguinidade com o Brasil. Contudo, os estereótipos se intensificam à medida que nos deslocamos em direção ao leste: a Hungria, por exemplo, é o país das pornostars (paese delle pornostar); a Romênia, o dos ladrões (ladri); a Bulgária, o das baby-sitters, enquanto os países da ex-Iugoslávia são terras inexploradas e desconhecidas (territorio sconosciuto). A Rússia é conhecida, praticamente, pelo gigante Gazprom, do qual o estado italiano compra a energia destinada ao aquecimento no período de inverno. A Ucrânia é o país das mulheres com tranças (terra delle donne con le trecce); a Polônia, por sua vez, permanecerá para sempre o país do Papa. Quanto aos países situados mais ao norte da Europa, a Inglaterra é vista como o do estádio de Wembley, a Bélgica, em função da sua capital, Bruxelas, como a terra da União Europeia (terra dell’Unione Europea), e a Holanda é conhecida somente como o país onde a maconha é liberada (canabis libera). E a Suíça? Como não podia ser diferente, é vista como país dos relógios de cuco, enquanto os alemães são o clock addcts, isto é, neuróticos pela precisão ou dependentes de relógios. A Suécia é a terra da Volvo; a Finlândia, da Nokia; a Dinamarca, o território dos Vikings; e, por fim, a Turquia, o país da dança do ventre (danzatrici del ventre).
esteriótipo

Contudo, o estereótipo mais gritante é a “aparente” divisão da Itália, onde o norte é indicado como a República Italiana, enquanto parte do centro e o sul são definidos como Etiópia, e a Sicília como Somália.

E como a Itália é vista por seus vizinhos e pelos Estados Unidos?

A situação não é muito melhor, se observamos os outros mapas e refletirmos sobre os estereótipos que os Estados Unidos e a Europa usam para definir a Itália e os italianos. Inquestionavelmente, para os norte-americanos a Itália é sinônimo de máfia (mafia e padrini); basta pensar no épico filme “Il padrino” (título em português: O poderoso chefão), de Francis Ford Coppola, com a belíssima interpretação de Marlon Brando e Al Pacino. Para os franceses, os italianos são os primos barulhentos (cugini chiassosi); para os alemães, a Itália é a terra da pizza e dos museus (la terra della pizza e dei musei), enquanto os búlgaros a definem como a pátria do espaguete (patria degli spaghetti). A Inglaterra se junta ao resto do continente, definindo a Itália como o Império Federal e diabólico da Europa (Impero Federale e diabolico d’Europa).

esteriótipo

A lista é infinita. Afinal, os estereótipos com os quais convivemos diariamente se renovam a cada instante, a ponto de, ao nos referirmos a um determinado país, o fazermos por meio de um ou mais estereótipos consolidados e cristalizados no tempo. Na maioria da vezes, nem mesmo sabemos por que dizemos, por exemplo, que os russos são, até hoje, comunistas. Muitos sequer conhecem a fundo o conceito de comunismo. Todavia, como podemos observar no mapa acima, não somente a Itália e os italianos são vítimas de preconceitos e lugares-comuns. Por exemplo, os norte-americanos veem os franceses como gente fedorenta (gente maelodorante), os russos serão sempre comunistas, os alemães são cultores de uma pornografia desenfreada (cultori di una pornografia spinta), e assim por diante.

Um vídeo que circulou por um bom tempo na rede, de autoria de Bruno Bozzetto, é a Itália e a Europa, que confronta diversas situações típicas dos setores políticos e sociais.

Interessante perceber que, apesar, claro, dos estereótipos a partir dos quais se elaborou o vídeo em questão, existem situações com as quais os italianos realmente convivem na Itália, sendo consideradas, até certo ponto, bem normais. Não foram raras as vezes que ouvi italianos, que vivem aqui na Suíça há anos, lamentando-se, por exemplo, das filas quilométricas que se enfrentam nos bancos na Itália, do atraso dos meios de transporte públicos e, claro, da morosidade da burocracia, situações que não se verificam aqui em terras helvéticas.

Estereótipos à parte, não importa a nossa nacionalidade; acredito que todos nós estamos sujeitos a comportamentos diferentes, principalmente quando vivemos ou somos obrigados a viver em terras estrangeiras. Infelizmente, nós brasileiros – sobretudo as brasileiras – somos vistos também “in un certo modo“, e não só pelos europeus. São os lugares-comuns dos quais falamos nesse post, cuja única função é criar preconceito. O importante é não esquecer que somos todos – digo TODOS – seres humanos que compartilhamos pelo menos uma coisa em comum: vivemos nesse imenso e frágil planeta chamado Terra, que nos abriga independentemente da nossa cor de pele, língua ou origem.

Arrivederci e buona lettura!

Cláudia

Cláudia Lopes

Claudia Lopes é formada em letras pela UFRJ (português - italiano). Morou 8 anos na Itália, lecionou português na Università degli Studi di Bari; fala inglês fluentemente e estuda alemão. Mantém atualmente o site Affresco Italiano.

Mostrar 2 comentários

  • 31/08/15  
    Cecilia diz: 1

    Ciao, Cláudia!
    Sono stata meravigliata com questa matéria. Anche io sono una brasilianai apacionata per Itália, con tutti sui pecatti. (Terei que usar o traductor, daqui prá frente, afinal, você não merece).
    Ci dispiace il mio vocabolario povero, perché sto iniziando a imparare il didioma. Congratulazioni per il vostro testo, la riflessione profonda e divertente sulla base dei nostri pregiudizi. Un abbraccio, Cecília

    • 01/09/15  
      Claudia Lopes diz:

      Cara Cecilia,
      Mi fa molto piacere che l’articolo ti sia piaciuto. Prova sempre a scrivere in italiano, anche se dovessi fare degli sbagli, l’importante è non avere paura di sbagliare. La riflessione che ho fatto sull’Italia e gli italiani è frutto del rapporto d’amore e odio che nutro da più di quindici anni nel confronto di questo piccolo paese pieno di cultura, storia e tradizioni che ci fanno innamorare al primo sguardo. Vai avanti con i tuoi studi e non mollare, l’apprendimento di una lingua straniera è come un rapporto di amicizia che dura nel tempo: impariamo a convivere e ad accettare i pro e i contro, i difetti e le virtù, cioè quelle situazioni descritte nel testo che sono, in fondo, l’essenza della lingua italiana.
      Un caro saluto e a presto!
      Claudia